Gaming Disorder

Jogos de internet são muito populares. Ao menos uma pessoa joga videogames em 2/3 das casas nos EUA, estamos falando de cerca de 160 milhões de pessoas, em estimativas recentes realizadas nesse país. Os jogos são os mais variados possíveis, conseguem prender a atenção do jogador facilmente em tramas ricas ou mesmo em atividades simples, que fazem com que os jogadores sejam absorvidos pelo mundo virtual.

O transtorno

Gaming disorder é definido pela 11ª Classificação Internacional de Doenças (CID-11), como um padrão de comportamento relacionado a jogos (digitais, pela internet ou videogames), caracterizado pela inabilidade de controle, aumento de prioridade dado ao jogo em detrimento de outras atividades, de forma contínua ou crescente, mesmo na presença de consequências negativas.

O Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais em sua 5ª edição (DSM 5) diz que o transtorno deve causar impacto ou sofrimento significativo em diversos aspectos da vida do jogador.

Para ser diagnosticado, o padrão de comportamento deve ser grave o suficiente para causar impacto no funcionamento pessoal, familiar, social, educacional, ocupacional ou outras áreas importantes da vida. Além disso, o transtorno deve ser evidente pelo período mínimo de 12 meses.

Todas as pessoas que jogam jogos na internet devem se preocupar?

Não. Apenas uma pequena parcela da população que joga de forma recreativa desenvolve esse transtorno.

Entretanto, é importante ficar atento aos sinais:

  • Preocupação com os jogos
  • Desistência de outras atividades
  • Perda de interesse em outras atividades antes prazerosas
  • Continuar jogando na presença de problemas
  • Enganar familiares ou outros em relação ao tempo despendido com jogos
  • Uso de jogos para aliviar humor negativo (tristeza, culpa, desesperança…)
  • Colocar em risco relações ou trabalho em decorrência do jogo
  • Tolerância
    (Necessidade de jogar por mais tempo para se satisfazer)
  • Sintomas de abstinência quando existe impossibilidade de jogar
    (Tristeza, ansiedade e irritabilidade)
  • Dificuldade para reduzir o jogo
    (Diversas tentativas de parar, sem sucesso)

A possibilidade de desenvolver um transtorno relacionado aos jogos de internet ainda é tema de muito debate e opiniões divididas. Estudos recentes apontam para um padrão de alterações cerebrais muito similar as que conhecemos no uso de substâncias químicas (drogas). Alguns pesquisadores discutem também a possibilidade desse comportamento não ser um transtorno e sim um sintoma de um quadro adjacente, como depressão e ansiedade.

Entretanto, no final de 2017 a Organização Mundial de Saúde (OMS) definiu categoricamente a classificação como um transtorno mental. Alguns países como a China e Coréia do Sul já reconhecem esse problema há algum tempo e tem programas de tratamento bem estabelecidos.

Cabe a nós acolhermos essas pessoas e buscarmos orientação para melhor entender o que acontece em cada caso, com objetivo de melhora da qualidade de vida e saúde mental.