Hoje as mulheres alcançaram uma posição no mundo e nas dinâmicas em que estão inseridas de grande peso e importância.

Por conta disso se veem assoberbadas para tentar se manter na premissa básica de “ter que” preencher determinados critérios. E esse “ter que”, muitas vezes é uma exigência interna e não externa no sentido de provar a si mesma.

É uma eterna luta desempenhar vários papéis com tanta excelência.  Ser mãe, esposa, namorada, profissional, esportista, inteligente, independente, atualizada, bem cuidada, e com uma beleza compatível com as expectativas e padrões sociais vigentes.

O universo feminino é o mais belo e o mais complexo ao mesmo tempo. É maravilhoso ser mulher e ter tantas possibilidades a partir deste lugar, mas é preciso respeitar os limites e aprender a administrar o espaço onde o “poder” não pode ocupar o espaço da delicadeza e nem da sensibilidade tão essenciais do feminino.

E dentro desse cenário de um universo tão particular e único que muitas vezes as mulheres podem experimentar uma sensação de incompreensão e ausência de validação de seus esforços

Quem cuida da cuidadora? O perfeito não é sinônimo de força, mas sim a coragem para ser imperfeita!

É pensando nesse contexto e no momento atual que estamos vivendo que nasceu o projeto de reunir essas mulheres, cada qual com sua riqueza particular e individualizada num processo de terapia de grupo no sentindo de construir um todo multifacetado  que nos retroalimente de colo, força,  apoio, identificação, compreensão  validação e troca, pois as vivências nos agregam na busca do autoconhecimento e domínio efetivo sobre nós mesmas.

Patrícia Gianneschi

Psicóloga

CRP 06/52477-8