Como lidar com os sintomas e doenças emocionais durante o isolamento social

 

A pandemia de COVID 19 e as medidas sanitárias para a contenção do vírus tiveram impacto direto em nosso estilo de vida. Adultos e crianças têm enfrentado situações inéditas nos últimos meses/ ano, como o isolamento social.

Em uma sociedade altamente conectada ao outro, a limitação do contato, mesmo que necessária, causa impactos significativos na saúde física e mental de grande parte da população.

 

Sentir estresse ou ansiedade durante tempos como os atuais pode ser inevitável. Contudo, aprender a lidar com esses sentimentos é essencial para preservarmos nossa saúde mental e a das pessoas ao nosso redor.

 

Em primeiro lugar, vale identificar as sensações ou sintomas de episódios de estresse. Mudanças no apetite e disposição, sensação de irritação, medo, tristeza ou frustração, dificuldades para dormir ou se concentrar são indicativos de níveis elevados de estresse e ansiedade.

 

Outros sintomas podem incluir reações físicas, como alergias, dores musculares ou estomacais, piora de quadros clínicos físicos e emocionais e o aumento no consumo de tabaco, álcool e outras substâncias.

 

Crianças e adolescentes também podem vivenciar episódios de estresse, e apresentar os mesmos sintomas, além de irritabilidade, agitação e alterações de apetite e padrão de sono.

 

Dê um tempo das telas

 

Nosso consumo de conteúdo digital aumentou durante a pandemia. Além das horas de trabalho ou estudo, o entretenimento nesse momento está frequentemente associado às telas.

 

Estudos indicam que aparelhos como tablets, notebooks e smartphones operam num espectro de luz que inibe a absorção de melatonina, hormônio responsável pelo relaxamento. Pessoas que tem insônia podem sofrer ainda mais e outros sem problemas de sono prévios podem passar a ter dificuldade.

 

Além disso, estudos internacionais recentes relacionam tempo excessivo de tela com surgimento de transtornos emocionais como depressão e ansiedade, sobretudo em adolescentes.

 

Quanto mais tempo passamos na internet, maior a nossa exposição às notícias. Ainda que seja importante nos mantermos informados, a constante absorção de informações complexas sobre a pandemia pode ser desgastante. Portanto, atente-se para o consumo exagerado de informações, mesmo nas redes sociais.

 

Tente mudar seus hábitos

 

A pandemia e o isolamento social fizeram com que o modo de vida de muitas pessoas se transformasse, mas não estávamos preparados para isso. Essa mudança pode nos fazer recorrer às chamadas “comfort foods”, sedentarismo e a outros hábitos pouco saudáveis para lidar com o estresse e angústia.

 

Em um primeiro momento certas atividades podem parecer inofensivas, mas a duração do isolamento e a frequência com que esses pequenos prazeres surgem em nossa rotina, como recompensa por produtividade ou alívio para um dia difícil, podem na verdade causar episódios de ansiedade e alteração do humor.

 

É importante inserir hábitos verdadeiramente saudáveis na rotina, como atividades físicas, regulação dos períodos de sono e alimentação saudável.

 

Pode parecer muito difícil se desvencilhar de alguns hábitos potencialmente nocivos, principalmente em uma época particularmente delicada como a que vivemos hoje. Mas pequenas adaptações podem trazer grandes benefícios para sua qualidade de vida e das pessoas ao seu redor.

 

  • Cultive e estimule a leitura – Principalmente antes de dormir, ler um livro auxilia no processo de relaxamento, fundamental para uma boa noite de sono.

 

  • Converse mais com as pessoas – Presencialmente ou por vídeos, olhar para rostos familiares nos lembra dos vínculos e favorece o sentimento de união e apoio.

 

  • Coma frutas e hidrate-se – Com mais tempo em casa, é normal que a gente coma mais. Em vez de alimentos processados, prefira comer frutas. E lembre-se de beber água.

 

  • Mantenha uma rotina – Procure manter padrão em horários de sono, alimentação, trabalho e repouso. Isso ajuda no planejamento diário e te permite lidar com imprevistos com mais facilidade.

 

  • Pratique atividades físicas – De alongamentos a exercícios funcionais, muitas atividades podem ser feitas em casa, ocupando poucos minutos do dia.

 

  • Mantenha cuidados médicos – Não interrompa tratamentos contínuos ou deixe de lado vacinas e acompanhamento físico ou emocional. Saber o que se passa com nosso organismo também ajuda a reduzir episódios de ansiedade.

 

Cuidar de si é cuidar dos outros

 

Quando prestamos atenção em nós mesmos, nos preparamos para poder cuidar melhor do outro. A atenção dedicada à saúde física e emocional pode proporcionar as ferramentas necessárias para auxiliar outras pessoas a lidarem com seus problemas.

 

O estímulo, a empatia, o acolhimento e o acesso à informação são grandes aliados nos cuidados emocionais que podemos prestar às pessoas ao nosso redor. Vídeo chamadas, atividades em conjunto, como jogos ou leituras e outras formas de interação possíveis são importantes para resgatarmos o senso de coletividade.

 

Além de fazermos a nossa parte pelo controle da pandemia, precisamos atuar na recuperação da saúde emocional de nossa sociedade.