DEPRESSÃO

“It’s ok not to be ok”

 

Depressão é uma condição médica que ultrapassa a tristeza que sentimos eventualmente. Causa sintomas profundos e duradouros, que costumam impactar a habilidade em realizar atividades diárias. 

 

A gravidade e apresentações são variadas, muitas vezes passam desapercebidas, o que faz com que a busca por auxílio demore e piore o quadro. 

 

Sintomas frequentes: 

-tristeza  

-perda de prazer  

-diminuição de energia  

-alteração do apetite e sono   

-culpa excessiva e sentimentos de inutilidade  

-dificuldade para se concentrar 

-pensamentos de morte recorrentes

 

Conceitos populares como “é frescura”, “a pessoa não se ajuda, tem falta de vontade”, são concepções errôneas e promovem estigmas aos portadores dessa doença. O funcionamento cerebral está biologicamente alterado e não volta ao padrão de equilíbrio sozinho. As pessoas viram reféns, não tem controle voluntário sobre os seus sintomas, podendo chegar a intensidade de não conseguirem realizar as tarefas mais básicas, como tomar banho e se alimentar. 

 

Atualmente, a depressão é a principal causa mundial de anos perdidos por incapacitação e morte prematura. Por volta de 17% da população tem depressão em algum momento de sua vida (mais de 1 bilhão de pessoas ao redor do mundo).

 

Pessoas que não fazem tratamento tem um pior padrão de vida e risco aumentado de suicídio. Depressão pode ser um fator desencadeante e/ ou ser agravada por doenças clínicas, resultando em maior morbidade e mortalidade. É responsável por um risco 2x maior de morte em comparação a pessoas sem essa doença. Além disso, afeta também aqueles que estão próximos a pessoa doente. 

 

As mulheres são mais acometidas e respondem por 2-3x mais casos. A idade de início costuma ser na 3a década de vida, mas frequentemente vemos a doença se manifestar antes. 

 

  • Por que temos depressão?

 

Não existe uma resposta única, a doença surge devido a uma complexa interação de processos. 

 

-Genéticos: alterações que conferem fragilidade

-Biológicos: funcionamento cerebral alterado, desregulação do sono, inflamação, estresse oxidativo, doenças

-Psicológicos: características da personalidade, dificuldades de relacionamentos, traumas, adversidades, isolamento e estresse crônico

-Ambientais: dieta inadequada, sedentarismo, drogas, cigarro e álcool

 

  • Eu tenho depressão? 

 

2 perguntas rápidas de triagem servem como o primeiro passo para investigação. 

 

-Você se sentiu incomodado, com pouco interesse ou prazer para fazer as coisas no último mês?

-Você tem se sentido para baixo, deprimido ou sem esperanças no último mês?

 

Se a resposta for sim para qualquer uma das perguntas, uma investigação profissional mais detalhada é recomendada. 

 

  • O que fazer

 

90% das pessoas não procuram atendimento especializado. 2/3 das que procuram muitas vezes se apresentam com queixas corporais vagas. 

 

A busca por ajuda pode demorar anos! Durante todo esse período, existe sofrimento e prejuízo na vida daqueles acometidos pela depressão. 

 

A mudança de humor, na maioria dos casos, é perceptível pela pessoa ou por terceiros. A progressão é lenta para a doença, no decorrer de semanas a meses, o que da oportunidade para intervenções precoces.

 

Busque atendimento especializado o quanto antes, dê a mão para quem precisa de ajuda. 

 

  • Tratamento

 

Depressão é uma doença tratável! Psicoterapia e medicações, além de outras abordagens, podem aliviar os sintomas e fazer com que a pessoa retome a sua vida e funcionalidade. 

 

  • Outros transtornos de humor

 

-Transtorno depressivo persistente (distimia)

Apresentação crônica e mais branda da depressão. 

 

-Transtorno disruptivo da desregulação do humor

Início específico na infância, com períodos de irritabilidade, rompantes de raiva e agressão recorrentes. 

 

-Transtorno disfórico pré menstrual 

Labilidade de humor e irritabilidade em mulheres, que ocorrem repetidamente durante a fase pré menstrual do ciclo, e remitem com início da menstruação

 

-Transtorno afetivo bipolar

É quase impossível distinguir se a depressão é unipolar (mais comum) ou se é bipolar, somente com a apresentação de um quadro depressivo. A diferenciação ocorre com o histórico de mania ou hipomania (sintomas opostos ao da depressão, como aumento de energia e euforia). 

 

Não existe uma resposta única, a doença surge devido a uma complexa interação de processos.

-Genéticos
alterações que conferem fragilidade

-Biológicos
funcionamento cerebral alterado, desregulação do sono, inflamação, estresse oxidativo, doenças

-Psicológicos
características da personalidade, dificuldades de relacionamentos, traumas, adversidades, isolamento e estresse crônico

-Ambientais
dieta inadequada, sedentarismo, drogas, cigarro e álcool

2 perguntas rápidas de triagem servem como o primeiro passo para investigação.

  • Você se sentiu incomodado, com pouco interesse ou prazer para fazer as coisas no último mês?
  • Você tem se sentido para baixo, deprimido ou sem esperanças no último mês?

Se a resposta for sim para qualquer uma das perguntas, uma investigação profissional mais detalhada é recomendada.

90% das pessoas não procuram atendimento especializado. 2/3 das que procuram muitas vezes se apresentam com queixas corporais vagas.

A busca por ajuda pode demorar anos! Durante todo esse período, existe sofrimento e prejuízo na vida daqueles acometidos pela depressão.

A mudança de humor, na maioria dos casos, é perceptível pela pessoa ou por terceiros. A progressão é lenta para a doença, no decorrer de semanas a meses, o que da oportunidade para intervenções precoces.

Busque atendimento especializado o quanto antes, dê a mão para quem precisa de ajuda.

Depressão é uma doença tratável! Psicoterapia e medicações, além de outras abordagens, podem aliviar os sintomas e fazer com que a pessoa retome a sua vida e funcionalidade.

Transtorno depressivo persistente (distimia)
Apresentação crônica e mais branda da depressão.

Transtorno disruptivo da desregulação do humor
Início específico na infância, com períodos de irritabilidade, rompantes de raiva e agressão recorrentes.

Transtorno disfórico pré menstrual
Labilidade de humor e irritabilidade em mulheres, que ocorrem repetidamente durante a fase pré menstrual do ciclo, e remitem com início da menstruação

Transtorno afetivo bipolar
É quase impossível distinguir se a depressão é unipolar (mais comum) ou se é bipolar, somente com a apresentação de um quadro depressivo. A diferenciação ocorre com o histórico de mania ou hipomania (sintomas opostos ao da depressão, como aumento de energia e euforia).

SINTOMAS FREQUENTES

  • Tristeza
  • Perda de prazer
  • Diminuição de energia
  • Alteração do apetite e sono
  • Culpa excessiva
  • Sentimentos de inutilidade
  • Dificuldade para se concentrar
  • Pensamentos de morte recorrentes

CONTATO

Entre em contato conosco caso tenha dúvidas. Caso queira você pode agendar sua consulta através do formulário abaixo, deixe sua mensagem que algum dos nossos profissionais entrará em contato.

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.